The Special One

Lev Yashine

Lev Yashine

O que é um herói, enquanto personagem ficcional? Em certos tempos literários (o do romantismo, por exemplo), o herói impõe-se como entidade central no desenvolvimento de uma narrativa que gira em torno dele, em função de temas, de valores e de atitudes (a ânsia do absoluto, o idealismo radical, a ironia anti-burguesa, o dandismo, etc.) que o estruturam como eixo semântico do texto. Noutros tempos, falamos de anti-herói, por força de um processo de inversão  que destrói a pureza do herói: por isso, do Lazarillo de Tormes dizemos que é sobretudo um anti-herói.

Como se manifesta o herói desportivo? Que forças e que fracassos fazem dele um anti-herói? Em ambos os casos, é determinante a instância de discursos mediáticos predominantemente narrativos, que reinventam a condição do herói (ou relatam a sua destruição), tanto em modalidades coletivas (futebol, basquetebol, rugby, etc.), como em modalidades de feição marcadamente individual (ténis, atletismo, natação, etc.). 

Mas o  herói desportivo  perdeu a inocência: profissionalismo exigente, marketing, publicidade, interesses económicos e também, como é óbvio, os discursos mediáticos que modelam tudo isto  contribuem para que a autenticidade primordial do herói (que era a dos primeiros atletas olímpicos) se degrade. As narrativas do chamado jornalismo desportivo, mediatizadas pela imprensa escrita, pela rádio e pela televisão, trabalham no sentido de configurar atletas como personagens de ficção, contribuindo para destacar heróis que imitam o super-homem nietzschiano. Chamaram-se ou

Usain Bolt

Usain Bolt

chamam-se esses heróis Lev Yashine, Emil Zatopek, Di Stéfano, Pelé, Eusébio, Michael Phelps ou Usain Bolt. Em contraste com eles, o anti-herói é aquele que derroga a idolatrada grandeza do autêntico herói, por subverter normas de comportamento desportivo, por fracassar no momento decisivo ou por agir com a singeleza do homem banal: Lance Armstrong, Barbosa, guarda-redes do Brasil derrotado perante o Uruguai (na copa de 50), Andres Iniesta driblando com  uma simplicidade quase artesanal, sem esgares para as câmaras nem penteados   lustrosos.

(C. Reis)

Deixe um comentário

Filed under Desportista, Herói

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s